Papa Francisco concede a todos os sacerdotes a faculdade para absolver do pecado do aborto

Durante o Ano da Misericórdia o Papa tinha concedido a todos os sacerdotes a possibilidade de perdoar os pecados de aborto. Esta absolvição estava reservada unicamente aos bispos e alguns sacerdotes nomeados. Com a carta apostólica publicada no final do Jubileu da Misericórdia "Misericórdia et misera" o Papa Francisco estende a todos os sacerdotes, para além do ano jubilar, o poder de perdoar o pecado do aborto.

Para que nenhum obstáculo exista entre o pedido de reconciliação e o perdão de Deus, concedo a partir de agora a todos os sacerdotes, em virtude do seu ministério, a faculdade de absolver a todas as pessoas que incorreram no pecado do aborto. Aquilo que eu concedera de forma limitada ao período jubilar fica agora alargado no tempo, não obstante qualquer disposição em contrário. Quero reiterar com todas as minhas forças que o aborto é um grave pecado, porque põe fim a uma vida inocente; mas, com igual força, posso e devo afirmar que não existe algum pecado que a misericórdia de Deus não possa alcançar e destruir, quando encontra um coração arrependido que pede para se reconciliar com o Pai. Portanto, cada sacerdote faça-se guia, apoio e conforto no acompanhamento dos penitentes neste caminho de especial reconciliação.
— Papa Francisco, Carta Apostólica "Misericordia et misera" (20.11.2016)